Loading...

quarta-feira, 14 de outubro de 2015

Análise econômica - Fernando Sales

Análise econômica da situação atual do Brasil

Escrevi algumas CONSIDERAÇÕES que fiz SOBRE NOSSA ECONOMIA, a partir de meus estudos para o meu mestrado, baseando-me em Gonzalo Escribano e em minhas conclusões a respeito:
Por me parecem bem pertinentes, compartilho agora com vocês, de maneira resumida, minha interpretação da situação atual de nosso país e algumas propostas que considero viáveis:
1. Os programas sociais são válidos, é sempre melhor que a população coma do que morra de fome;
2. Para sustentar os programas, no entato, é preciso dinheiro, que só vem se houver incentivo à indústria, principalmente através do investimento em infraestrutura, coisa que o governo deixou de fazer há tempos;
3. Além disso, é preciso capacitar os estudantes, dando-lhes um ensino que lhes forme também com uma profissão (eles ganham dinheiro e a indústria ganha profissionais qualificados). A escola pública hoje é uma piada. Nossos jovens passam 12 anos nela hoje para quê? O que sabem depois desse tempo? O que podem fazer?
4. Sem ciência não se faz mais nada. Investir em ciência e não ficar só importando tecnologia é um caminho inevitável para quem busca ser realmente grande, ou ser pelo menos viável economicamente;
5. Tudo já estaria terrível, mas aí vem o pior: a corrupção generalizada, em que um só pensa no seu, em se "ajeitar". Sem punições exemplares não desestimularemos essa prática; 
6. Faz mais sentido investir em indústrias que não são caras, como fizeram os Tigres Asiáticos (digo especificamente isso e não sua maneira de tratar os trabalhadores). Indústrias têxteis e outras de menor custo não geram dívida e são relativamente fáceis de se fazer, se aliadas aos fatores anteriores. No Brasil, temos a mania de indústrias pesadas e caras.
Obs.: Eu, que sou analfabeto em economia, entendo isso. Você também? Por que não começar a mudar? Compartilhe: mais gente precisa saber.
Autor (sim, assino o que digo, ainda que corra o risco de estar errado): 

Fernando Sales.